Investigação

A MSD acaba de informar que o Infarmed aprovou a comparticipação do medicamento pembrolizumab, a terapêutica anti-PD-1 da MSD, utilizada na primeira linha de tratamento de doentes com carcinoma do pulmão de células não-pequenas (CPCNP), metastático, cujos tumores tenham expressão elevada de PD-L1 (TPS≥50%), sem mutação EGFR ou translocação ALK.

Uma investigação do Departamento de Genética Humana do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge (Instituto Ricardo Jorge) permitiu descobrir que a proteína mechanistic target of rapamycin (mTOR), que se encontra «hiperativada» na maior parte dos cancros pode ser produzida no organismo através de um mecanismo alternativo da iniciação da síntese proteica. Esta descoberta abre a possibilidade para o estabelecimento de uma nova estratégia terapêutica em diversos tipos de cancro.

Uma equipa de cientistas do Reino Unido analisou os danos genéticos provocados por uma substância química que é produzida quando o organismo processa o álcool. Os resultados, publicados na revista Nature, e avançados em Portugal pelo Público, não enganam: a exposição ao álcool provoca danos genéticos permanentes.

A chave para o sucesso é a esculina. Um grupo de investigadores da Universidade de Nova Iorque descobriu que esta substância química que se encontra na venenosa castanha-da-Índia pode ter um papel crucial no diagnóstico de cancro. Porquê? Quando utilizada durante ressonâncias magnéticas, TACs e ecografias, a esculina reage à radiação e torna o gel fluorescente e brilhante quando a luz reflete na massa cancerígena, explicam os especialistas.

A primeira edição do Prémio FAZ Ciência, promovido pela Fundação AstraZeneca (FAZ) em parceria com a Sociedade Portuguesa de Oncologia (SPO), visa premiar projetos de investigação translacional em Imuno-Oncologia. As candidaturas decorrem até 31 de dezembro, sendo os vencedores anunciados em março de 2018.

Chama-se OncoSELECT e, segundo a informação divulgada pela companhia biotecnológica, trata-se de um estudo rápido e minimamente invasivo de ADN circulante do tumor a partir de uma amostra de sangue para doentes com cancro do pulmão (NSCLC), cólon ou mama (ER + ou HER2 +) que ajuda os oncologistas nas fases da escolha da terapia e monitorização, facilitando a deteção de possíveis recaídas.

Pág. 1 de 22

PUB

Planning

Onco Planning

Newsletter

Receba a nossa newsletter.

APOIOS:
.......................

astellasBMSMerckMSDPfizerRoche