Investigação

A Amgen e a Allergan divulgaram recentemente dados de um estudo de Fase 3 que avaliou a eficácia e segurança de ABP 980, um biossimilar de trastuzumab, em comparação com o medicamento original em doentes com cancro da mama em estadio precoce com recetor 2 do fator de crescimento epidérmico humano positivo (HER2+). Os dados de eficácia, segurança e imunogenicidade confirmam ABP 980 como biossimilar de trastuzumab e aumentam a totalidade de evidência clínica atualmente em revisão pela Agência Europeia do Medicamento (EMA) e a Food and Drug Administration (FDA) dos Estados Unidos da América (EUA).

Atualmente, apenas 20 a 30% dos indivíduos com síndromes genéticas com risco tumoral estão diagnosticados. A Rede Europeia de Referência para estas síndromes (ERN GENTURIS), criada em 2017, possibilitará uma identificação mais precoce e preventiva dos portadores de mutações genéticas hereditárias associadas ao desenvolvimento de cancro.

Um grupo de investigadores portugueses da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto e do Instituto de Investigação e Inovação em Saúde (I3S), em conjunto com equipas da University of Southern Denmark (Dinamarca) e da University of Antwerp (Bélgica), desenvolveram um novo método que pretende encontrar novas formas de diagnóstico e tratamento da bactéria Helicobacter pylori, a chamada hibridação fluorescente in vivo.

O projeto português “Todays present, tomorrow´s future on the study of germline E-cadherin missense mutations”, que cria novos métodos para diagnosticar as alterações genéticas que conferem risco para o cancro gástrico hereditário, foi financiado pela segunda vez pela No Stomach for Cancer, uma associação americana de doentes com esta patologia.

Um grupo de investigadores do MD Anderson Cancer Center, da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveu um estudo sobre a utilização de células do sangue do cordão umbilical modificadas para tratar alguns tipos de linfomas ou leucemias. Os resultados deste estudo foram recentemente publicados na revista Leukemia.

O Infarmed aprovou pembrolizumab, a terapêutica de imuno-oncologia anti-PD-1 da MSD, para o tratamento, em meio hospitalar, do cancro do pulmão de células não pequenas (CPCNP) em adultos cujos tumores expressam PD-L1 (TPS≥1%) e que receberam pelo menos um esquema de tratamento prévio com quimioterapia. A dose aprovada é 2 mg/kg a cada três semanas.

Pág. 1 de 20

PUB

Planning

Onco Planning

Newsletter

Receba a nossa newsletter.

APOIOS:
.......................

astellasBMSMerckMSDPfizerRoche